Manutenção técnica

Seis regras para escolher o próprio catamarã

Depois de ter trabalhado na criação do próprio barco e navegado em todo o mundo a bordo do seu Lagoon 450 S

13 de abril de 2023

Depois de ter trabalhado na criação do próprio barco e navegado em todo o mundo a bordo do seu Lagoon 450 S, Stephen e Estell Cockcroft criaram o seu site de internet: Catamaran Guru. O objetivo é ajudar os futuros armadores na escolha do seu barco, com base nas suas próprias exigências.

Os dois confiam-nos os seus preciosos conselhos.

Mesmo se hoje estamos na era da realização digital dos modelos, a arquitetura naval é, de qualquer forma, sempre uma série de compromissos e o uso do catamarã (regatas, cruzeiros, vida a bordo) ditará consideravelmente o design e as características relativas às performances. Para nós, tudo se resume a uma questão de segurança e conforto, acima de tudo em condições meteorológicas difíceis.

Na nossa opinião, as seis regras a levar em consideração, no momento de escolher um catamarã, são:

  • Altura interior: é importante que a altura interior seja suficiente para poder ter um barco seguro e garantir o conforto da tripulação. Eliminando o bater contra o teto da cabine, melhoram-se as performances em condições marinhas difíceis. Como regra de base, entre 5% e 6% do comprimento total são consideradas boas proporções. Note-se que 4% é uma percentagem aceitável, apesar de ser um pouco baixa.
  • Capacidade de carga: ao contrário dos monocascos, que podem suportar peso adicional sem reduzir as performances, as performances de um catamarã excessivamente carregado são menores e, portanto, também a sua segurança. Ao contrario dos monocascos, cuja estabilidade é garantida pelo lastro na quilha, para um catamarã o fator importante é a boca, portanto, o que conta é o volume dos cascos. Uma construção mais leve permite aos catamarãs carregar mais peso e ter melhores performances, portanto esta característica é muito importante quando se escolhe um catamarã de cruzeiro. Se há a necessidade de ter equipamentos pesados como televisões, micro-ondas e equipamento para mergulho, deve-se considerar um catamarã concebido para suportar peso adicional, com cascos largos como aqueles dos Lagoon.
  • Estabilidade: a estabilidade de um catamarã depende da sua largura e da sua capacidade de flutuação, portanto uma construção sólida mas leve, baseada numa boa capacidade de flutuação é uma boa coisa. Tipicamente, os catamarãs de cruzeiro têm uma proporção boca-comprimento igual a aprox. 50% em relação ao comprimento total.
  • Performance: um catamarã precisa de um centro de gravidade forte, considerando a alta flutuabilidade na proa e na popa, ou de um comprimento total adequado para evitar a arfada. Desta maneira, a navegação é mais agradável e as performances são melhores. A performance é uma questão ligada à segurança e é sempre melhor poder sair rapidamente de condições meteorológicas más. Portanto, a velocidade de reserva é uma grande vantagem.
  • Facilidade das manobras: o layout do convés é um fator de segurança importante porque a maior parte dos catamarãs de cruzeiro são governados por uma tripulação reduzida. Nos catamarãs com um leme só, todos os cabos devem ser levados até ao posto de comando, de onde é possível controlar todo o barco. De facto, uma visibilidade global durante a navegação, as manobras ou a amarração, são a chave para garantir a segurança a bordo!
  • Design da cozinha: "uma cozinha acima ou abaixo?" é uma das perguntas que os casais em cruzeiro mais perguntam. Nos catamarãs modernos, a tendência do momento é ter a cozinha acima, tornando-a assim uma área central para viver e para o convívio. O aspecto mais importante de toda a cozinha é a sua funcionalidade no mar. Deve ser segura, bem ventilada e funcional, seja ela no exterior ou no interior dos cascos.

Algum conselho suplementar:

  • Decida que tipo de barco será mais útil para vocês, por exemplo: para o cruzeiro costeiro, para viver a bordo por longos períodos ou para um curto cruzeiro, para regatas, etc. Faça uma lista do equipamento e dos opcionais do barco que parecerem importantes e avalie onde fazer compromissos quando fizer a escolha final.
  • Faça as suas pesquisas e seja realista em relação às suas expectativas; certifique-se de comprar um barco adequado às suas competências e capacidades.
  • Decida o valor do investimento e respeite-o. Depois de uma casa, comprar um catamarã de cruzeiro é com certeza um dos maiores investimentos que um comprador de barcos fará na sua vida. Adquira o melhor barco com base nas suas possibilidades, não necessariamente com base no comprimento!
  • Faça de modo a saber como pagar o barco e conhecer a estratégia de saída.
  • A compra de um catamarã e a posse de um barco, em geral, devem ser um prazer, não um pesadelo. O vendedor deveria ajudá-lo, aconselhá-lo e ensinar-lhe coisas, não fazer pressão para comprar.